5 motivos pra você assistir “Justiça”

ATENÇÃO! ESSE POST (PROVAVELMENTE) CONTÉM SPOILERS!!!!!!!

serie-justic%cc%a7a-globo

Se você tava morando em Marte e não tava acompanhando o Twitter durante as noites no mês de Setembro ou ficava com a TV desligada, muito provavelmente você nunca ouviu falar na série “Justiça”, que foi exibida na Globo e terminou no dia 23/09. De cara, eu digo logo pra tirar essa cara feia só porque a série foi montada pra passar num canal aberto. Sério, tudo é MUITO bom nesse seriado!!

Tentando resumir pra vocês, o seriado se passa em Recife (meu país!!!!) e vai contar 4 histórias que se cruzam. Os enredos vão tratar de dramas vividos pelos personagens centrais de cada eixo, todos estabelecendo laços de alguma forma. Cada “ciclo” de histórias dura 4 episódios, e cada episódio desenvolve um dos enredos de forma central, dando pistas e mostrando os outros 3 de forma secundária.

justic%cc%a7a-globo-617x125

Vicente (Gesuíta Barbosa), Fátima (Adriana Esteves), Rose (Jéssica Ellen) e Maurício (Cauã Reymond) vão parar numa mesma delegacia numa mesma noite, cada um por um motivo. Todos são presos e veem suas vidas mudar completamente, principalmente depois de saírem da cadeia, cada um com alguma coisa em mente, seja pra reconstruir tudo que foi destruído ou destruir tudo que foi construído (me sentindo culto com essa última frase).

O seriado tem um misto de sensações que terminam provocando a gente, meio que fazendo o público se sentir parte não só de cada história de forma isolada, mas do todo completo se cruzando. Por abordar temas como vingança, desigualdade, preconceito, violência sexual, superação (entre muitas outras coisas), a série foi super bem acolhida pela galera, que ficava vibrando a cada episódio. Pensando nisso, elaborei uma lista com 5 razões pra você começar o seriado nesse exato momento (por favor, leia!):

1 – Você vai se identificar MUITO com alguma das histórias (ou com todas)

Apesar de todas as histórias estarem interligadas de alguma forma, vai ter uma que vai te prender mais. Apesar de algumas sensações serem comuns às histórias (como o sentimento de nostalgia), cada uma tem algo muito mais marcante, como mágoa, arrependimento, vingança, dor, superação, e, dependendo de como a gente enxerga a “justiça”, é inevitável não ficar mais grudado com um dos enredos (eu mesmo fiquei apaixonado pela história de Fátima, interpretada por Adriana Esteves).

2 – Todas as histórias se passam numa cidade fora do eixo Rio-SP

Normalmente, as produções da Globo se passam no Rio de Janeiro ou em São Paulo. Dessa vez é um pouco diferente: tudo se desenvolve em Recife e localidades próximas (como a cidade de Olinda, famosíssima pelo carnaval). Melhor do que ver um local “novo”, é ver tudo se desenvolver nele e até reconhecer alguns pontos da cidade (esse foi meu passatempo, ficar falando dos endereços quando eu reconhecia algum lugar). O mais bacana foi ver que as filmagens variaram muito, mostrando desde os bairros nobres da cidade, até as favelas. Dos restaurantes “chiques” aos botecos de rua. Detalhe: tudo existe MESMO!

3 – Você vai vibrar e sofrer com os personagens

Se tem uma coisa que não dá pra negar é que eu fiquei muito envolvido com as histórias de todos os personagens. Eu tava chegando num ponto que passava o dia pensando que o personagem “x” podia fazer tal coisa pra ter tal resultado. É meio que aquele filme que você AMA e toda vez que assiste dá vontade de fazer parte da história. Tenho pra mim que boas produções causam essa sensação na gente. Em “Justiça”, quando você menos espera, já tá lá derramando umas lágrimas ou pulando no sofá e torcendo com o feito de alguém. Minhas personagens favoritas foram Fátima e Rose, que (pra mim) tiveram as duas melhores histórias.

4 – Atuação + Trilha Sonora + Fotografia

Sério, o “conjunto da obra” ficou muito bom! Atrizes e atores trabalharam muito bem, em especial Adriana Esteves interpretando Fátima e Leandra Leal no papel de Kellen. As filmagens do meu país da minha cidade querida são feitas a partir de vários ângulos e momentos, o que mostra várias possibilidades de visões de Recife, sem falar da trilha sonora, recheada de música genuinamente brasileira, o que dá uma cara completamente autêntica ao seriado.

5 – A “Justiça” é Relativa (!) (?)

A série, por mais que tenha começo, meio e fim, deixa no ar um questionamento: o que é justiça? Parece fácil, mas não é, até porque numa faculdade de Direito (eu sou prova viva) ,muitas vezes, alunos e professores não conseguem chegar a uma só definição. Mostrando que a justiça se constrói a partir de cada história, cada momento, cada dor, cada desejo, o seriado termina dando esse tapa de luva na cara da gente, abrindo nossos olhos pra mostrar que o mundo é MUITO mais complexo do que a gente imagina.

Depois me digam o que acharam! 🙂

Continue Reading